EMESP

MENU

João Geraldo Alves

Nome: João Geraldo Alves

Disciplinas: Clarinete
Formação: Bacharel em clarinete, João Geraldo Domingues Alves iniciou seus estudos de música em 1971 com o Prof. Nivaldo Donegá, no Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos” de Tatuí, reconhecido centro musical do Estado de São Paulo e tornado Bacharel na Academia Paulista de Arte (FAP-ART), com o Prof. Leonardo Righy. Foi aluno durante a sua formação dos Professores Luís Gonzaga Carneiro, José Coelho de Almeida, José Botelho, Eduardo Pecci, William Maccol, Henry Schumam, H. J. Koellrreuter, José Máximo e Leonardo Righi. Sua formação erudita compreende atuações em várias orquestras entre elas estão: Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí, Maestros José Coelho de Almeida, José Antônio Pereira e Antônio Carlos Neves Campos; Orquestra Jovem Estadual, Maestro John Nechiling; Orquestra Sinfônica Jovem Municipal, Maestro Jamil Maluf; Orquestra de Concertos de São Paulo, Maestros S. Bacarelli, Jorge Salim e Roberto Tibiriça; Orquestra Filarmônica de São Caetano do Sul, Maestro Paulo Ridilewisky; Orquestra de Sopros de Tatuí, Maestro Dario Sotelo; Orquestra Jazz-Sinfônica, Maestros Cyro Pereira e Nelson Ayres; Orquestra Filarmonia Brasileira, Maestro Gil Jardim; e Banda Sinfônica do Estado de São Paulo, Maestro Roberto Farias e Daniel Havens e atualmente Maestro Abel Rocha.
Atividades Artísticas: Participou dos Festivais de Inverno de Campos do Jordão, nos anos de 1979 a 1982, tendo como destaques as apresentações da Orquestra do Festival, sob a regência de Donald Yohanos, o concerto Música do Século XX, regência de H. J. Koellrreutter, e o Noneto de Gounod, regência de Henry Schumann.
Apresentou-se como recitalista em São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraná Espírito Santo e Tocantins, recebendo elogios da crítica expecializada. No seu repertório incluem-se obras de Saint Saens, Francis Poulenc, Ygor Strawinsky, Ernest Mahle, Cláudio Santoro, H. J. Koellreuter, Heitor Villa-Lobos entre outros. Em Piracicaba conquistou 3o e 2o prêmios no “V e VI Concurso Jovens Instrumentistas do Brasil” nos anos de 1979 e 1981. Conquistou o 1o Prêmio no “I Concurso para Instrumentistas e Cantores” promovido pela Ordem dos Músicos do Brasil (OMB) em 1984. Realizando assim uma série de recitais promovidos por esta entidade. Apresentou-se como concertista à frente da Orquestra de Concertos de São Paulo executando o Concerto No. 10 de Karl Stamitz.
A partir dos anos 80 dedicou-se a pesquisa de um gênero popular muito especial que devido a sua dificuldade técnica e complexidade exige dedicação e virtuosismo, aproximando-se da execução erudita – o choro. Atuando ao lado de Paulo Moura e Nailor Proveta, Ademilde Fonseca, Carlos Poyares, Altamiro Carrilho, Isaías do Bandolim, Evandro e seu Regional e pelo seu destaque, foi convidado especial como solista do Programa BEM BRASIL e do espetáculo “As Muitas Histórias do Choro e do Tango” com direção e concepção de Júlio Lérner, dividindo o palco com Eudóxia de Barros e com Rodolfo Medeiros, reconhecido músico argentino.
Em 1985, apresentou-se em Montreal no Canadá na abertura do Festival de Musique Latino-Américaine Le Grand Café. Realizou apresentações na cidade do Quebec, e em Vernissage do Nouveau Decor Environnement par Jean Faucher e Jean F. Lemieux. Aproveitando seus recursos técnicos e de interpretação, seu interesse musical avança para novas formações com aspectos sonoros não-convencionais como o trio formado com Dinho Nascimento e Klessius Albuquerque com a formação de clarineta, cavaquinho e berimbau, chegando à gravação do CD de Dinho Nascimento, “Berimbau Blues”. Em 1991 fundou, junto com o Prof. Marcos Mesquita, o Intertrio, iniciando uma série de apresentações de obras adaptadas para a formação flauta, clarineta e piano destacando-se a Suíte do Quebra-Nozes, de Tchaikovsky e a Fuga No. 9 de Astor Piazzolla. Realizou gravações para Radio Cultura registrando obras de Cristian Wolf e Gabriel Fauré.
Em 1992, com a experiência de três anos na tradicional casa de dança, o Avenida Club, montou sua própria banda, atuando em casas como o Záis e o Espaço Brasil.
Ainda com esta formação realizou espetáculos como Choro e Gafieira, Ágata, Tem Francesa no Morro, integrando a linguagem cênica e a musical com a atriz e cantora
Magali Géara.
Ministrou aulas de música no conservatório Sousa Lima, Conservatório do Imirim, Oficinas de Cultura do Estado e Casas de Cultura dos Municípios São Paulo, Santo André, São Caetano, Diadema e São Bernardo, CDMCC Tatuí, E. M. de Música de Itapetininga CEUs em São Paulo como Professor Coordenador, e junto ao SESI Leopoldina atuando como professor e regente.
João Geraldo Alves participou de inúmeros shows, gravações de discos e CDs, entre os quais podemos destacar os de Priscila Ermel, Luli e Lucina, João Bá, Eduardo Santana e Juca Novaes, Dinho Nascimento (Prêmio Sharp 97), Milton Nascimento, Vânia Bastos, Suzana Salles, Edson Cordeiro, Ná Ozeti e seu irmão Dante Ozeti, Maricene Costa, Gereba, Cezar do Acordeon, Isaías e Amigos Chorões, além de gravações em CDs infantis como Vila Esperança exibido pela TV Record. Podemos citar gravações com Orquestras como Orquestra de Sopro Brasileira, Banda Sinfônica do Estado, Orquestra Filarmonia Brasileira.E mais recentemente apresentou-se com a atriz e cantora Bibi Ferreira atuando como clarinetista e saxofonista João Geraldo lançou o seu primeiro CD -MUMBABA – no Teatro da Umes em novembro de 1997, no Projeto “ Serenata na Umes” interpretando músicas de Pixinguinha, Severino Araújo, Abel Ferreira, Francisco Araújo e outros.
Em 2004, foi premiado como melhor instrumentista do 1 festival CURITIBA NO CHORO e recebeu o prêmio de composição com CHORO IMPROVISO. Em 2011, juntamente com Samuel Cardoso dos Santos e do próprio Cezar do Acordem lançou o Cd Sanfonias do Abianto registrando a obra do Mestre Cezar do Acordeon em CD e Livro .
Em 2012, Jotage Alves foi ganhador ao lado de  Zé  Barbeiro e Cleber Silveira do premio PAC, para realização do CD comemorativo dos 100 anos de nascimento do Mestre Luiz Gonzaga com lançamento de O Lado B do Lua, com musicas das décadas de 40 a 45, fase anterior ao grande sucesso do Rei do Baião. Cursou Especialização em Psicopedagogia na Asseta Faculdades de Tatuí (Pós-graduação “Lato sensu”) Foi aluno do Prof. Dr. Oliver Toni no curso “A Produção Musical No Período Colonial Brasileiro” e em 2008 cursou como aluno especial o curso: “Os Territórios da Improvisação: Pensamento e Ação em Tempo Real” Prof. Dr. Rogério Luiz Moraes Costa.
Compõe o quadro profissional da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo desde 1989  como clarinetista e claronista atualmente  sob a regência do Maestro Marcos Sadao  (apresentou-se na 8aConferência da WASBE 97 na Áustria). Em 2005 e 2006 foi convidado como professor  e orientador de clarineta erudita no Festival de música de Ourinhos. É professor de   saxofone erudito e popular do Conservatório  Municipal de Guarulhos onde fundou coordena a Roda de Choro. Foi professor de clarineta e saxofone na Escola de Música do Auditório Ibirapuera ao lado dos mestres Proveta e Branco
É professor de Clarinete e Práticas Coletivas para instrumentos de sopro na EMESP Tom Jobim, onde desenvolve trabalho pedagógico musical de sensibilização especialmente voltada à musica brasileira.